Diary of me
Gabriela, 20 anos.
"Não sei me dar pela metade ou por partes. Eu transbordo."
Quando falo, todo mundo acha que estou querendo aparecer, que sou ridícula quando fico quieta, insolente quando respondo, inteligente quando tenho uma boa ideia, preguiçosa quando estou cansada, egoísta quando como um pouquinho mais do que deveria, estúpida, covarde, calculista e outros adjetivos. O dia inteiro só ouço dizerem como eu sou uma pessoa irritante, e apesar de rir e fingir que não me importo, eu me importo sim.”
O Diário de Anne Frank.   (via azulciano)

Sinto isso todos os dias. As pessoas adoram estereotipar meus sentimentos e atitudes.

Ela disse: “Estou com tanto medo…” E eu perguntei: “Por quê?” Aí, ela respondeu: “Porque estou me sentindo profundamente feliz. E uma felicidade assim é assustadora.” Voltei a perguntar por quê, e ela prosseguiu: “Só permitem que alguém seja assim tão feliz se estão se preparando para lhe tirar algo”.”
O Caçador de Pipas.  (via decepciona)
Você tem o meu mundo inteirinho aos seus pés. E sabe o que é pior? Você nem sabe disso.”
I am an open book (via i-am-an-open-book)
E aí você sorri, com aquele jeito de quem não quer nada. E eu? Fico totalmente desarmada. Você vence a batalha e eu fico anestesiada com o som da sua risada.”
I am an open book (via i-am-an-open-book)
Eles se amavam. Dava pra ver isso na troca de olhares, na troca de sorrisos. Eles se amavam em segredo, mas quando se encontravam a vontade dele falava mais alto e ele tinha de se controlar para não beijá-la. Quando se encontravam, ela olhava o tempo todo pra baixo só pra ter certeza que não sairia um “eu amo seu sorriso”.”
Mas eu me apaixonei por você (via decepciona)
Você tem o meu mundo inteirinho aos seus pés. E sabe o que é pior? Você nem sabe disso.”
I am an open book